Em nome da Justiça

Maramures-Romenia-monumento-às-vítimas-do-comunismo-676x507
Maramures- Romênia – Monumento às Vítimas do Comunismo

Atualizado em 14/12/13

Outras publicação sobre o mesmo tema:

Autor: Rodrigo Constantino
Publicado em: Blog do Rodrigo Constantino
Título: Os 126 fantasmas que assombram a esquerda
Disponível em: http://veja.abril.com.br/blog/rodrigo-constantino/historia/os-126-fantasmas-que-assombram-a-esquerda/
Acesso em: 14 dez 2014

Autor: Luciano Ayan
Publicado em: Ceticismo Político
Título: Haja saco para mais encenação: Dilma chora ao receber relatório final da Comissão da Verdade
Disponível em: http://lucianoayan.com/2014/12/10/haja-saco-para-mais-encenacao-dilma-chora-ao-receber-relatorio-final-da-comissao-da-verdade/
Acesso em: 14 dez 2014

Autor: Augusto Nunes
Publicado em: Blog do Augusto Nunes
Título: O terrorista que matou o companheiro de luta armada está fora da lista da Comissão da Verdade e o assassinado foi condenado ao esquecimento perpétuo. Haja cinismo
Disponível em: http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/direto-ao-ponto/o-terrorista-que-assassinou-um-companheiro-de-luta-contra-a-ditadura-esta-fora-da-lista-da-comissao-da-verdade-a-vitima-tambem/
Acesso em: 14 dez 2014
—-

Relatório da Calúnia

Autor: Paulo Chagas
Fonte : Alerta Total
Disponível em: http://www.alertatotal.net/2014/12/relatorio-da-calunia.html
Acesso em: 12/12/14

Mais uma vez assisti a encenação das lágrimas da terrorista que nos governa.

Será que derramou alguma delas pelos inocentes que morreram vitimados pelos atos criminosos dos que com ela ombreavam e que, propositadamente, deixaram de ser lembrados no relatório que lhe trouxe tanta saudade e emoção?

Reporto-me a seu passado de ativista, idealizadora e partícipe de atos de guerrilha urbana, do qual tem tanto orgulho, e fico a imaginá-la aos gritos de exultação a cada sucesso de seus atentados.

Mais uma vez a vi mentir ao dizer que lutou pela democracia. Quanta hipocrisia!

Há muito venho falando e escrevendo sobre a comissão nacional da verdade, ou da “calúnia”, como lhe ficaria mais justa a denominação. Todas as vezes em que me referi ao relatório que estava a produzir o fiz com a convicção de que se tratava de algo inútil e falso, porquanto, desde sua criação, a comissão pautou seu trabalho pela linha da ilegalidade e do sectarismo.
Hoje, recebi da própria CNV a comprovação do que disse e escrevi. Trata-se, de fato, de um agrupamento de pessoas selecionadas entre as mais comprometidas com os interesses ideológicos da facção criminosa que ocupa o poder da república. Esta, por sua vez, comprometida com a desonestidade, com a corrupção, com o desvio de recursos públicos e, dentre tantas outras adjetivações da canalhice, visceralmente amancebada com a mentira e radicalmente avessa à democracia!

Mesmo sem ler o extenso e inócuo relatório, encontro a prova da sua falsidade na lista de autoridades militares ditas como envolvidas em graves violações dos direitos humanos, porque nela consta, entre outros cujo passado ilibado conheço, o nome do meu pai, Gen Div Floriano Aguilar Chagas, já falecido.

A calúnia, o desrespeito e a covardia embutidos neste fato merecem e terão muito mais do que o meu veemente repúdio.
As pessoas que conheceram meu pai e que sabem e compartilham da admiração que meus irmãos, eu e nossas famílias dedicamos a ele, à sua memória e à sua obra – como cidadão, soldado, pai e amigo – podem avaliar o tamanho da revolta que se apossa de nós todos.

Nós e os amigos do meu pai não permitiremos que suas cinzas sejam usadas impunemente na tentativa de desviar a atenção da sociedade para o lado oposto da realidade e da verdade.

Nada mais oportuno para o governo corrupto da terrorista Dilma Rousseff do que a cortina de fumaça que inutilmente quer produzir para comover a sociedade e tentar encobrir os crimes que tem cometido contra o patrimônio nacional, protagonizando os momentos mais obscuros e vergonhosos jamais vividos pela Nação.

Meu pai foi, em março de 1964, contra-revolucionário de primeiro momento. Tenho muito orgulho de conhecer o desassombro com que, de imediato, ele e seus camaradas do Comando da 2ª Divisão de Cavalaria aderiram ao movimento salvacionista. Tenho muito orgulho do seu desempenho como Adido Militar junto à Embaixada do Brasil em Buenos Aires, onde conquistou admiradores para toda a vida, dizendo, com sinceridade e convicção, que em sua carreira andarilha de Soldado de Cavalaria acostumara-se a percorrer fronteiras e a cruzá-las para encontrar os amigos, irmãos sul americanos.

De que forma teria ele, como querem fazer crer os comissários, “atentado contra os direitos humanos” enquanto praticava com maestria e elegância a diplomacia militar?

Meu pai foi um homem de sucesso porque, sendo justo e rigoroso com todos e intransigente consigo mesmo, não fez inimigos nem teve desafetos, só amigos fieis e admiradores sinceros.

Um velho poema hebraico, cuja essência é a essência do caráter do soldado, diz: “Três verdades há no mundo; a verdade e a verdade e o fulgor da verdade.”

Eles responderão pela calúnia!

Paulo Chagas é General de Brigada, na reserva.

Enquanto Dilma derrama lágrimas de crocodilo pelos terroristas companheiros que foram mortos na luta armada contra o governo militar, esquece dos inocentes assassinados por ela e seus amigos na luta em que se empenhavam e que ela continua se empenhando, no sentido de implantar no Brasil a ditadura sanguinária socialista.

Lista das vítimas dos terroristas durante o regime militar, não investigados pela (c)Omissão da Verdade!

http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/os-mortos-sem-sepultura-historica-da-comissao-da-farsa-1-os-assassinados-pelas-esquerdas-antes-do-ai-5/

http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/os-mortos-sem-sepultura-historica-da-comissao-da-farsa-2-muitas-das-vitimas-eram-pessoas-comuns-so-tiveram-a-ma-sorte-de-cruzar-com-um-esquerdista/

http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/os-mortos-sem-sepultura-historica-da-comissao-da-farsa-3-ou-a-impressionante-covardia-de-carlos-lamarca/

http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/os-mortos-sem-sepultura-historica-da-comissao-da-farsa-4-o-alto-grau-de-letalidade-daqueles-humanistas/